Tenho sempre, sempre. Porque sou grande adepta de feijões (têm bastante proteínas), porque tem um sabor intenso, porque fermenta muito menos do que os outros, porque dá para fazer sobremesas (ahh, pois é!), porque traz uma data de coisas boas ao nosso corpo e porque é considerado o rei das leguminosas. Aliás, como prova, aqui está a  fotografia dos  frascos ,que tenho na cozinha,  e onde estão alguns dos ingredientes que mais uso, e onde está o azuki, ali pelo meio.

unnamed-10

O azuki é pouco conhecido no nosso país até, porque, já temos uma boa dose de tipos de feijões por cá, no entanto,  é bom dar-lhe espaço e, até, consumi-lo com frequência. O azuki é apontado como o feijão com mais propriedades nutritivas e, e isto é muito positivo, é facilmente digerível provocando muito menos gases que os outros (estão à vontade, portanto, para um prato de azuki, e uma reunião com pessoas com quem querem fazer boa figura).

unnamed-7 E que benefícios são, afinal,  esses? Ora, o azuki tem sais minerais, potássio e ferro, selénio e fósforo, e uma boa parte de proteínas e de fibras. Reforça o sistema imunitário e é especialmente  indicado para tratar os rins (tem um grande efeito depurativo). Aliás, uma boa forma de melhorar e limpar os rins é beber chá de azuki. Mais abaixo deixo-vos a receita, e peço-vos para não se assustarem, porque o sabor é completamente aceitável. O azuki é recomendado pela New Health Guide, uma organização de profissionais de saúde dedicada aos tratamentos naturais. O site recomenda o azuki porque é rico em proteínas, nivela os níveis de açúcar e colesterol, tem vitaminas, elimina toxinas do corpo, e pode ajudar na prevenção de alguns tipos de cancro. Podem ler o artigo inteiro aqui .

O feijão, como outro qualquer, pode usar-se nos mais diversos pratos e comer-se a qualquer refeição (já vos tinha dito que fermenta menos que os outros, certo?). Por exemplo, hoje mesmo, cozinhei e dei ao meu filho Pedro, a maior prova de que é muito digerível e muito pouco pesado (ele tem 6 anos e um estômago mais frágil que porcelana chinesa).

Por coincidência, hoje mesmo, a Ana Markl  fez hambúrgueres de azuki e millet (já ouviram falar do millet neste blog, certo?) . O que ela fez foi cozer o feijão, misturar cebola picada e alho, picado também,

unnamed-11coentros e cominhos e bateu tudo com a varinha mágica. Depois, a este preparado de azuki, juntou millet cozido em partes iguais. Passou com pão ralado e ficou pronto para ir para o forno. A Ana mandou-nos uma foto para vermos o resultado. E disse que tinham ficado muito apetitosos.

Com o azuki também se podem fazer sobremesas, sabiam? Por exemplo, e esta é bem simples: Pegam no azuki cozido que vos sobrou de um prato, misturam com mel de arroz, alperces secos e cacau, batem tudo, e metem no frigorífico. Fica um rico creme com sabor a chocolate. Aliás, só de falar disto, já estou a desejar, ardentemente, uma coisa destas. Ainda esta semana vou fazer um doce de azuki, um pouco mais elaborado, para vos mostrar, ok?

unnamed-13Há pouco também vos falava do chá de azuki. Ora, não é mais do que a  água de cozedura do feijão (que se deve cozinhar com uma tira de alga kombu), e mais nada. Bebe-se quente, de manhã, em jejum, e não sabe mal, de todo (o sabor é o do feijão e é como se estivéssemos a comer uma sopita insossa ao despertar).  Este chá vai reforçar muito os rins, órgãos que se ressentem muito com a alimentação menos boa. O Francisco Varatojo recomenda, no seu mais recente livro “Os Alimentos Também Curam”  o chá de feijão azuki  para  problemas de bexiga, diurese, problemas ósseos e articulares, e em caso de diabetes.  Portanto, juntem-se a mim, e tenham azuki, sempre, por casa, sim?