Aqui vos deixo, amigas e amigos do blog, mais três questões respondidas pelo Francisco Varatojo, director do Instituto Macrobiótico de Lisboa. Recordo, como sempre, que estas respostas são genéricas e que não as devem assumir como substitutas de uma consulta a sério pois o Francisco não fez uma avaliação vossa completa. Por isso, devem marcar uma consulta com ele, ou com um médico, se acharem necessário. As melhoras.

Mandem as vossas questões para o mail anagalvao3@gmail.com

Todas as questões serão respondidas, quem enviou e ainda não tem aqui a resposta, não se apoquente, está a chegar.

 

Anabela Oliveira 
Antes de mais queria-lhe dar os parabéns pelo blog que para mim é uma verdadeira inspiração. Aliás, a Ana é uma grande inspiração por si só.
Então, vou tentar resumir ao máximo a minha condição para, depois, colocar as questões ao Dr. Francisco.
Chamo-me Anabela, tenho 48 anos, vivo no Porto e à 15 anos tive um problema oncológico que veio alterar em muito a minha vida. Fiquei bem, graças a Deus, mas fiquei com muitas mazelas devido aos tratamentos agressivos a que fui sujeita. Na altura, não havia a informação que hoje dispomos e cada caso era um caso e portanto uma solução muitas vezes não era aplicável a todos da mesma forma. Ora, foi o que aconteceu comigo. Com os tratamentos fiquei com uma enterite rádica, síndroma de cólon irritável, desenvolvi uma anemia crónica severa, uma osteoporose que passou ultimamente a osteopenia. Desenvolvi ainda um linfedema na perna esquerda. Este problema está a ser tratado em Barcelona, pois aqui em Portugal não temos solução para este tipo de problemas tão incapacitantes.
Enfim, ainda assim tentei ao máximo levar uma vida o mais normal possível, sem grandes resultados. O facto de ter estes problemas, acabou por me afetar em muito o meu dia a dia, o meu desempenho profissional e o meu desempenho em geral.
Desde o lançamento do seu blog que eu passei a introduzir os cereais na minha dieta. Utilizo o millet, o arroz integral, algumas algas, o miso o kuzo…Contudo, a maioria dos alimentos que me podem dar energia e ajudar a combater a anemia, eu não os consigo comer: frutos vermelhos, citrinos, vegetais de folha verde, feijão.
Em 15 anos, já experimentei introduzi-los por diversas vezes e os resultados são sempre tão nefastos para a minha saúde que até tenho medo. Fico com cólicas terríveis, diarreias durante dias, perco imenso peso. A recuperação é sempre muito lenta e a minha dieta tem sempre de ser pobre em resíduos. Pois é Ana, estou nesta vida à tempo demais e logo eu que gosto tanto de comer. Talvez por isso eu tenha sempre tentado manter a “coisa” o mais normal possível, não dar muita importância ao assunto. Não resultou. Tenho vindo a piorar imenso e os médicos só me mandam tomar ferro injetável 2 vezes por anos e montes de medicação. É assim à tempo demais.
Assim sendo, gostaria que me ajudasse a conseguir minimizar estes meus problemas, através de uma alimentação mais saudável e adaptável a estes meus problemas.
Já agora e só para terminar, sou intolerante à lactose, não consumindo por isso leite nem os seus derivados. Também não consumo carnes vermelhas.
Obrigada Ana e um grande beijinho para si.

 

Resposta 

Olá Anabela,

Alguns pontos positivos na situação que descreve são o facto de não consumir carnes vermelhas e ser intolerante à lactose. No que se refere à carne, sugiro que também elimine as carnes brancas por também serem prejudiciais. Por substituição, deverá utilizar peixe branco (preferencialmente de mar), duas a três vezes por semana, e leguminosas, como por exemplo, lentilhas, grão, feijão. Por forma a serem melhor digeridos pelo intestino, as leguminosas devem ser demolhadas por um mínimo de 8 horas (deitar fora a agua da demolha) e cozinhadas com alga kombu.
Nestes casos em que o intestino parece estar fragilizado, também é importante eliminar todo o tipo de estimulantes, como o açúcar (mesmo o amarelo e a agave), o café e o álcool e reduzir ao máximo todo o tipo de farinhas refinadas e óleos.
Por contraste, os alimentos fermentados de boa qualidade vão fortalecer o intestino, pelo que se recomendam. Alguns exemplos são a sopa de miso (preferencialmente miso de cevada não pasteurizado, podendo juntar à sopa cenoura e cebolinho, este último já no final, antes de servir) e os produtos fermentados de forma natural mas sem açúcar adicionado ou álcool (procure por picles de chucrute, que não costumam ter estes dois ingredientes adicionados, sugiro que confirme sempre nos rótulos).
Deverá privilegiar, em todas as refeições principais, os cereais em grão, devendo ser cozinhados até ficarem bem macios (dê preferência ao arroz integral) e evitar a batata, a beringela e a beterraba, podendo ocasionalmente optar pela batata-doce. Os legumes verdes (comece por optar por aqueles que consegue digerir melhor) e raízes (cenouras, nabos, …, muito importantes no quadro que descreve) devem aparecer sempre no prato e ser consumidos cozinhados de formas diferentes, como por exemplo em sopas e em estufados.
Como sobremesa, opte por fruta cozida em vez de crua, da época e local, preferencialmente a maçã e as peras nesta altura do ano. Doce de abóbora também é uma opção, desde que utilize geleia de arroz ou de outro cereal, em vez do açúcar (mesmo o açúcar amarelo é prejudicial)
No que se refere à anemia, é possível que a deficiência não se deva à falta de consumo de ferro mas a uma dificuldade de assimilação por parte do intestino. Para que ocorra a assimilação, é necessário que o ferro seja consumido com vitamina C e que o intestino esteja em boas condições. Assim, melhorando o intestino, à partida melhorará a anemia.
Como remédio caseiro para fortalecer o intestino, poderá utilizar ainda bebida de kuzu com umeboshi e duas a três gotas de shoyu, bebida 2 a 3 vezes por semana em jejum durante 1 mês. Uma outra alternativa é chá de cenoura e nabo ralados, com duas gotinhas de shoyu.
Finalmente, note que para poder realizar recomendações mais específicas teria de ter em conta outras indicações das quais não disponho, pelo que lhe sugiro, se assim o entender, uma visita ao Instituto Macrobiótico de Portugal.
Desejo-lhe as maiores felicidades

 

Carla Pereira 

Olá Ana,
Aqui segue a minha questão:

Tenho 38 anos, 1,64m e até ao meu casamento e gravidez sempre fui relativamente magra (55/58Kg).
Após a gravidez, com um trabalho que gera muita ansiedade e competividade engordei 16 Kg.
Entretanto, após a leitura de alguns livros da Catarina Beato que por sua vez me encaminharam para o mundo da macrobiótica já consegui perder 10 Kg.
Acontece que os restante 6 kg estão a ser difíceis de perder.
Por razões sociais ainda não eliminei por completo as carnes (vermelhas e brancas) mas eliminei os lacticínios a 90% e as carnes a 70%.
Faço caminhadas durante uma hora cerca de 3 vezes por semana. Tenho privilegiado os cereais integrais, leguminosas, vegetais e alguma fruta da época.
Tem alguma sugestão para a minha perda de peso? Tenho receio que ao comer arroz integral, grão, feijão, millet, quinoa e cevada esteja apenas a manter o peso, ou até aumentá-lo, em vez de emagrecer…

O IMP nunca pensou em proporcionar aos habitantes do norte e centro do país as suas aulas via video/Skype/online? com custo como é evidente…Era uma alternativa a alguém como eu que não tem recursos para se deslocar frequentemente a Lisboa.

Resposta 

Olá Carla,
Antes de mais obrigada pela ideia que deste sobre aulas online, vamos ver o que podemos fazer. Entretanto, estão disponíveis na internet alguns vídeos em que falo sobre macrobiótica e que te poderão ser uteis. Podes consultar a minha página do youtube https://www.youtube.com/channel/UCmjvF4z2SeOvlyff7WVJi8Q

Relativamente ao consumo de cereais integrais em grão (arroz integral, millet, quinoa e cevada, como bem indicas) estes não só não engordam (se consumidos em quantidades moderadas a cada refeição), como ajudam, em muitos casos, a emagrecer. Nota que o cereal integral tem muita fibra e esta sacia mais do que os cereais em forma mais refinada (como o pão, as massas e outros), como também ajuda a restabelecer o intestino, beneficiando uma maior eliminação por parte do corpo. Quanto mais refinados os cereais, mais difícil a absorção por parte do corpo e maior a tendência para a sua acumulação interna, em especial quando ingeridos em conjunto com gorduras ou com fermentações químicas. Ou seja, nem sempre tem a ver com as calorias que ingerimos, mas antes com aquelas que o nosso corpo consegue processar e largar.
Assim, sugiro que reduzas ao máximo todo o tipo de farinhas processadas, como o pão, as massas e que dês preferência aos cereais em grão, devendo ser incluídos em todas as refeições principais do dia. O arroz e a cevada são particularmente bons para ajudar a emagrecer, pelo que deves demolhar metade-metade por 3 horas, coze-los em conjunto e utilizá-los frequentemente à refeição.
A sopa de miso, preferencialmente não pasteurizada e de cevada, tomada diariamente também poderá ajudar.
O ideal seria deixares não só o leite mas também os seus derivados; o queijo engorda bastante, assim como a manteiga. Reduzir ainda mais a carne também seria uma boa opção, substituindo-as pelas leguminosas que indicaste (grão, feijão) assim como lentilhas ou por peixe de mar, branco, cerca de duas vezes por semana. As refeições também devem incluir muitos vegetais e cozinhados de diferentes formas, porque ajudam na eliminação dos excessos.
Como remédio caseiro proponho-te fazeres chá de cenoura e nabo ralado, com umas gotas de molho de soja de boa qualidade (shoyu, sem açúcar), bebido durante duas semanas e em jejum.
Fazer um banho seco diariamente também é muito útil. Este banho consiste em esfregar o corpo vigorosamente com uma toalha húmida e quente pela manhã, à qual também se pode adicionar um pouco de gengibre, de vez em quando.
Quanto à caminhada, é uma ótima prática, sendo que se for realizada em passo bem acelerado, tanto melhor.
Desejo-te as maiores felicidades

Susana 

Chamo-me Susana e estou a fazer 44 anos.
No inicio de 2015 tive eczema da mama no qual usei corticoides com que não me dei bem, apenas estabilizou com o Protopic, que neste momento o uso 2xsemana.
Depois em Maio 2015, fiz alergia a um creme para bebes da farmácia que me fez ficar com o corpo cheio de eczemas e que após este episódio e através de teste se comprovou que sou alérgica a uma serie de conservantes (formaldeido) e ao dexpantenol.
Ao final de alguns meses tudo estabilizou, mas agora desde Dezembro 2015 até hoje 1xmes me aparece herpes nas costas (e sou daquelas pessoas que em toda a vida apenas tive no máximo 4 vezes herpes na boca). A médica me receitou Aciclovir. Será que existe algum tipo de alimentação que possa acabar com isto?

Resposta

Olá Susana,

Tendo em conta que a pele é um dos principais órgãos do corpo com função de excreção, pelas características que descreves é possível que o teu corpo esteja a tentar eliminar elementos que te podem estar a prejudicar. Por outro lado, os herpes atacam quando o sistema imunitário está em baixo, o que em grande parte dos casos se deve a uma fraqueza ao nível do intestino (onde se encontram a maior parte das nossas defesas naturais), o que se pode dever a várias causas, uma das quais pode mesmo ser a necessidade de eliminação.
É por este motivo que te sugiro, por um lado passares a ingerir determinados alimentos à refeição e por outro eliminares outros que podem ser mais nefastos quando consumidos regularmente.
Assim, deves incluir cereais integrais (em grão, preferencialmente o arroz integral) em todas as refeições, assim como legumes (verdes e raízes) cozinhados de formas diferentes, não só em sopas mas também aparecendo no prato. O alho francês e o cebolinho são particularmente bons aqui, podendo ser acrescentados picadinhos na sopa de miso, adicionado imediatamente antes de servir.
Como remédio caseiro sugiro que tomes todas as manhãs, durante duas semanas, sopa de miso preferencialmente de cevada não pasteurizada, à qual deves juntar alga wakame e vegetais. Depois das duas semanas, passa para um registo de dia sim, dia não. Outra opção (que pode ser combinada com a anterior) é gelatina de maçã usando agar-agar (a gelatina de compra tende a ser muito industrializada e não surte o mesmo efeito)
No que se refere aqueles que podem ser prejudiciais, sugiro-te reduzires ou, preferencialmente, eliminares três grupos de produtos da tua alimentação.
Os primeiros são os estimulantes, nos quais se inclui o açúcar, o chocolate, o café.
Os segundos são as carnes (branca e vermelha), porque o corpo humano tem dificuldade em digeri-la, devendo ser substituída por leguminosas e por peixe branco que não seja de viveiro, duas a três vezes por semana.
Os terceiros são as farinhas de forno refinadas, como as bolachas, pão, pizas, sendo que nestes casos temos a combinação de farinhas refinadas com óleos (muitas vezes de má qualidade) e fermentos (geralmente químicos, que continuam a levedar mesmo depois de consumidos).
Acredito que ao reduzires a quantidade de substâncias a eliminar, que poderás ver francas melhorias no quadro que descreves.
Finalmente, o exercício físico é um ótimo descongestionante físico. Correr, andar a uma velocidade rápida, ioga, tai chi, meditação, … sugiro-te que escolhas e que pratiques aquele que mais te anime.
E finalmente, confiança na vida, cantar uma musica animada diariamente, por vezes também é necessário.
Felicidades