Este ano fui desafiada a correr. Mas a correr como gente grande, o que para mim foram 21 quilómetros, portanto, uma meia-maratona.

Para tal recebi mil e um cuidados da Federação Portuguesa de Atletismo que me proporcionou treinos e consequentes aquecimentos à discrição (e estou eternamente agradecida por isso). Acontece que eu acredito que, não só o treino físico optimiza o corpo, mas que também é importante toda a parte energética, aquele fiozinho vital que nos faz sentirmos-nos capazes e bem todos os dias. E por isso comecei, quase na mesma altura da preparação para a meia-maratona, aulas de chi kung, uma terapêutica que combina movimentos lentos e respiração adequada. Não vos quero explicar ao pormenor o que é o chi kung porque temos um vídeo onde o Lourenço Azevedo, meu professor, o fez. Mas posso dizer-vos, antes de carregarem no play, que me foi muito útil e que a Organização Mundial da Saúde inclui o chi kung como terapia de cura na medicina tradicional chinesa.

Podem encontrar o Lourenço em lourencoazevedo.com e no Instituto Macrobiótico de Portugal onde dá aulas.

Um último recado: Há um movimento incrível que me ajudou a desenvolver a capacidade de respiração e a fortalecer as pernas, e que não aparece neste vídeo. Consiste em apoiar as costas numa parede e agachar-se até ficar com a posição de sentado (mas sem cadeira, ok?) até que as pernas fiquem em tensão. E depois pegar num livro e ler em voz alta. Parece fácil mas adorava ver-vos 30 segundos depois, ali, com a voz a falhar. Se praticarem bastante verão como a capacidade pulmonar melhora imenso.